Clarissa Tossin

Azul Maia

exposição individual

08 Novembro — 21 Dezembro 2018
Sala 01






Galeria Luisa Strina tem o prazer de anunciar Azul Maia, exposição individual de Clarissa Tossin. Aberta de 8 de novembro até 22 de dezembro de 2018, a exposição é a terceira individual de Tossin, seguindo Transplantado (VW Brasília) em 2014 e Gasto em 2011.
­
­
A mostra conta com trabalhos inéditos das séries Os Maias e Encontro das Águas, além do vídeo Ch’u Mayaa [Azul Maia]. Os Maias explora (re)apropriação, (má)representação e (má)tradução em uma série de esculturas baseadas no The Mayan Theatre em Los Angeles – exemplo prototípico do estilo arquitetônico moderno conhecido como Mayan Revival dos anos 1920 e 1930 nas Américas, que co-optou arquitetura e iconografia das culturas mesoamericanas pré-colombianas. Impressões em silicone das paredes e portas do interior do cinema são combinadas com gestos figurativos emprestados de outras imagens maias, particularmente a de performers que adornam vasos de cerâmica e murais. Usando materiais sintéticos que fazem referência a cosmologia maia, como imitação de pelo de jaguar, pena de quetzal, pele de cobra e gesso tingido no lugar de cerâmica, a série de esculturas explora a qualidade performática das antigas construções maia realçando o conteúdo falso das imagens impressas no silicone.
­
­

Já os trabalhos da série Encontro das Águas tomam seu nome da confluência dos rios Negro e Solimões no porto da cidade de Manaus – por quase seis quilômetros as águas pretas e bege correm paralelas umas às outras, mas não se misturam. O Porto de Manaus serve como outro tipo de ponto de confluência: o de capital estrangeiro e tradições locais. Centro do boom da borracha no Brasil no século XIX, a cidade tornou-se uma zona de comércio livre em 1957 como alternativa para combater a estagnação econômica sofrida após o declínio da economia extrativista da borracha. Hoje, Manaus abriga um parque industrial com fábricas de empresas como Apple, Coca-Cola e Honda. Tossin explora o impacto da industrialização e da cultura material dos grupos indígenas da região criando réplicas em   cerâmica de objetos manufaturados na região como garrafas de Coca-Cola, pneus de motocicletas, iPhones, e outros artigos eletrônicos. A artista também usa tiras de caixas da Amazon.com para fazer cestas que referem ao patrimônio da tecelagem Baniwa. Ao combinar materiais e usos de objetos tradicionais e modernos, Tossin nos convida a pensar no impacto da globalização. A indústria estrangeira revitalizou a região, mas somente depois de fali-la no passado; a indústria traz dinheiro, mas também polui a paisagem e desconsidera a cultura local, transformando Manaus em um dos milhares de centros de produção em todo o mundo que alimentam nosso crescente apetite por mais.
­
­
Finalmente, o vídeo Ch’u Mayaa responde à influência negligenciada da arquitetura maia na Hollyhock House de Frank Lloyd Wright. A construção é tomada como um templo e impregnada com uma coreografia baseada em gestos e posturas encontradas em objetos arqueológicos maia. Através dos movimentos da performer, a casa é reivindicada como pertencente à linhagem arquitetônica mesoamericana pré-colombiana.
­
­
Exposições individuais recentes incluem: Encontro das Águas, Blanton Museum of Art, Austin (EUA, 2018); When the Land Speaks, MSU Broad Museum, East Lansing (EUA, 2018); The Mayan, Commonwealth and Council, Los Angeles (EUA, 2017); Stereoscopic Vision, Ezra and Cecile Zilkha Gallery – Wesleyan University, Middletown (EUA, 2017); Brasília Teimosa, Galeria Baobá, Fundação Joaquim Nabuco, Recife (2015); Streamlined: Belterra, Amazônia / Alberta, Michigan, Museum of Latin American Art, Long Beach (2015).
­
­
Exposições coletivas recentes incluem: 12th Gwangju Biennial (Coréia do Sul, 2018); Pacha, Llaqta, Wasichay, Whitney Museum of American Art, New York (EUA, 2018); Mon Nord est Ton Sud, La Kunsthalle, Mulhouse (França, 2018); The House Imaginary, San Jose Museum of Art, San Jose (EUA, 2018); Emerald City, K11 Art Foundation, Hong Kong (China, 2018); Condemned To Be Modern, part of Getty Foundation’s Pacific Standard Time: LA/LA – LAMAG, Los Angeles (EUA, 2017); Mundos Alternos: Art and Science Fiction in the Americas, part of Getty Foundation’s Pacific Standard Time: LA/LA, California Museum of Photography – University of California, Riverside (EUA, 2017); Lives Between, Center for Contemporary Art, Tel Aviv (Israel, 2017), KADIST, San Francisco (EUA, 2017); United States of Latin America, Museum of Contemporary Art, Detroit (EUA, 2015); ­Unsettled Landscapes, SITE Santa Fe Biennial (EUA, 2014); Made in L.A. 2014, Hammer Museum, Los Angeles (EUA, 2014).
­
­
Coleções das quais seu trabalho é parte incluem: Whitney Museum of American Art, Nova York; Harvard Art Museums, Cambridge; Smith College Museum of Art, Northampton; Kadist Art Foundation, São Francisco/Paris;  e The Museum of Fine Arts, Houston.

__

­
­Para mais informações escrever para Flávia França.

Voltar ao Topo