Pablo Accinelli

Cae la tarde

exposição individual

22 Novembro 2016 — 18 Fevereiro 2017






Ladrilhos, cidade, passo, pés, campo, terra

piso
metros, ladrilho, terra.
ladrilho, cidade, uniões, cimento, cal.
cidade, cimento, tijolos, cal terra.
tapete, quilômetros.
paredes terra estacas, tapete.
parede, piso, ruas, calçadas, portas.
campo, terra cimento.
portas.
quarto, paredes, cal, pintura
porta
cadeira mesa, quadros, copos, garrafas, paredes, piso.
continuação, casas, rua
terra, vaso, quartinho, mão, escrivaninha.
minutos, terra
mão, poço, terra.
planície, pó, terra
pó, vento, movimento
sol, grão, terra, luz, pó, piso.
superfície, piso, luz, milímetros, partículas, escuridão
pé terra, escuridão
endereço, paredes.
árvore, luz, tronco, lado sombra.
luz, tronco, piso.
árvore, folhas, cores.
árvore, folhas terra
árvore, terra, tronco madeira sombra, luz, folhas
folhas, árvore, luz
criado-mudo, quarto.
porta, calçada, paredes, endereço, casa, amigo

Ricardo Carreira (“Poemas”, Editorial Atuel, 1996)

 

Cae la tarde propõe a repetição como método de ocupar as formas e a espera como modo de produção de pensamento. Um estado da mente que encontramos num bar, durante a siesta ou no trânsito lento, ali onde os signos se comprimem em geometrias e durações habitáveis e onde as opiniões se localizam nas bordas de atividades mais visíveis como sublinhar um jornal, quebrar um objeto ou jogar cartas.

As obras aqui não se mostram estáticas, nem totalmente acabadas, mas abertas à orquestração dos detalhes que nelas vão aparecendo e que acabam configurando uma paisagem zenital num momento intermédio do dia, nem muito tarde, nem muito cedo. Uma zona de deriva especificada no poema do argentino Ricardo Carreira, traduzido em ideogramas por um software que Accinelli desenvolveu em 2013, e em porcas hexagonais que citam o sistema usado em Stalker, de Tarkovsky, para identificar radioatividade no ar.

Cae la tarde é a terceira exposição individual do artista na Galeria Luisa Strina. Exposições recentes incluem “Por aqui tudo é novo” (Inhotim, Brasil, 2016); “Técnicas Pasivas” (Galerija Gregor Podnar, Berlim, 2016); “Extension du domaine du jeu” (Nouveau Festival, Centre Pompidou, Paris, 2015); “Future Light – Escaping Transparency” (Bienal de Viena, MAK, 2015); “United States of Latin America” (MOCAD, Detroit, 2015), “No importa mi nombre” (Universidad Torcuato Di Tella, Buenos Aires, 2013); “When Attitudes Became Form Become Attitudes” (CCA Wattis, São Francisco, 2013); 30a. Bienal de São Paulo (2012).

__

Para mais informações favor entrar em contato com Flávia França
flavia@galerialuisastrina.com.br

 

 

Voltar ao Topo