Jorge Macchi

La Ascención

02 Agosto — 02 Setembro 2005
Projeto no 2ª piso






JORGE MACCHI (mostra paralela à exposição de Fernanda Gomes) Dando continuidade ao programa de exposições do tipo “projeto”, a Galeria Luisa Strina apresenta mostra do artista argentino Jorge Macchi, representado pela galeria.

As exposições do tipo “projetos”, realizadas pela galeria, ocupam o segundo e/ou terceiro pisos do prédio. Estas exposições são dedicadas a mostras tanto de artistas representados pela galeria com projetos específicos, quanto a outros artistas convidados, visando formar um público mais amplo e heterogêneo e dar maior dinamismo à galeria, que passa a oferecer ao público um numero maior de mostras.

Macchi mostra a série de serigrafias intitulada “Doppelgänger” e o livro “La Ascensión”, nesta que é sua segunda exposição na galeria.

“Doppelgänger” é o resultado de muitos anos trabalhando com notícias policiais do jornal “Crônica”, de Buenos Aires. Durante esse período, o artista percebeu que havia algumas frases que apareciam em notícias diferentes: cuerpo sin vida (corpo sem vida), cuerpos en avanzado estado de descomposición (corpos em avançado estado de decomposição), mortalmente herido (mortalmente ferido), a sangre fría (a sangue frio), bañado en sangre (banhado em sangue) etc. Para este projeto, o artista selecionou notícias duplas que compartilhavam da mesma frase e, ao mesmo tempo, da mesma quantidade de texto, assim como da posição da frase no texto. Cada matéria nos apresenta uma história macabra que se torna ainda mais macabra quando percebemos a semelhança das tramas: as notícias paralelas nos fazem suspeitar da existência de acontecimentos paralelos, de tempos correspondentes e recorrentes.

Este material permitiu que o artista trabalhasse com formas simétricas que se tocam em um ponto, o ponto onde as notícias compartilham da mesma frase. O resultado final evoca as imagens do teste de Rorschach (método de exame psicológico de investigação da personalidade, no qual são analisadas as interpretações de uma pessoa para dez desenhos abstratos, formados por manchas de tinta, como uma forma de mensurar o funcionamento e a integração emocional e intelectual). Doppelgänger é a palavra alemã para o fenômeno da duplicidade, com exemplos na literatura, no cinema e na psicanálise.

Em “La Ascensión”, um livro que apresenta páginas semelhantes a partituras musicais destituídas de notas, Macchi joga com a possibilidade de movimento e som representado em duas dimensões. Este trabalho explora a contradição da simultaneidade de deslocamento e imobilidade. Esta obra foi produzida durante uma residência do artista na instituição Artpace, em San Antonio, Texas (EUA), onde está sendo exibida atualmente.

Jorge Macchi está participando da Bienal de Veneza, tanto na mostra “The experience of Art” com curadoria de María de Corral, quanto representando a Argentina no pavilhão do país, com uma instalação também intitulada “La Ascención”.

Voltar ao Topo