Wesley Duke Lee | Jean Harlow - A Zona: A Vida e a Morte

desenhos da coleção Augusto Livio Malzoni

21 Agosto — 27 Outubro 2018
Sala 02






“Vasculha ambientes, espelhos e adereços (…), como o delicado vestido de Jean Harlow 24 a zona: a morte, 16 a zona: a paz, ou as plumas e pérolas de luxúria de Jean Harlow 31 a zona: a morte, 29 a zona: a coincidência, ou os véus de Jean Harlow 21 a zona: a morte, 10 a zona: a paz que a transformam numa Sherazade das conversas amorosas (…)” * ­

 ­

Galeria Luisa Strina tem o prazer de anunciar a exposição dos trinta desenhos da série “Jean Harlow – A Zona: A Vida e a Morte” de Wesley Duke Lee, feita em 1967.

 ­

O artista desenvolvia muitos de seus trabalhos em séries, como Cartografia Anímica (terminada em 1980), O Triunfo de Maximiliano l (terminada em 1986), Os Trabalhos de Eros (terminada em 1991). Essas séries foram finalizadas e reunidas em forma de álbuns ou livros, posteriormente expostas e vendidas separadamente, com exceção de Jean Harlow – A Zona: A Vida e a Morte.

 ­

Por ocasião do lançamento da monografia sobre Wesley Duke Lee em 2005, a Pinacoteca expõe a série Jean Harlow junto com o album A História da Moça que Atravessou o Espelho (1964).

 ­

Impressionado com uma revista encontrada em Los Angeles com inúmeras fotos de Jean Harlow – mito hollywoodiano e símbolo sexual dos anos 30 – Wesley toma conhecimento da vida dupla da atriz, que frequentava incógnita as zonas de meretrício de San Diego. Essa história de erotismo e morte sensibiliza Duke Lee, sobretudo pelo paradoxo de prostituta da Babilônia em contraposição ao de deusa do amor projetada por seus filmes.

 ­

“Copia a bico-de-pena uma série de fotos da estrela, colocando as cenas de sua vida em quadrinhos, alguns desenhados à sépia, em imagens sutis, como fotos antigas que vão se resumindo aos contornos, meio apagados, das figuras, e outros com sobreposições ou destaques de partes de seu corpo, em cores. A saga de Harlow desenrola-se nos fragmentos que ocupam uma pequena área em cada prancha das trinta que formam a série. A eles Wesley justapõe os desenhos de uma visão sua, contracanto delicado e sensível, dos mistérios do universo feminino.” *

 ­

A pedido do artista a série foi mantida unida e para que fosse separada seria necessário a organização de um livro com a reprodução de todas as obras, que será lançado em 2018.

 ­

* Cacilda Teixeira da Costa. Wesley Duke Lee: um salmão na corrente taciturna. São Paulo : Alameda Edusp, 2005, pp120 -122.

 ­

Trabalhos da coleção de Augusto Malzoni.

Voltar ao Topo